Queremos a escola João Goulart sem salas alagadas, sem mofo e com a rede elétrica funcionando!










Os estudantes da Escola Estadual João Goulart estão em uma sinuca de bico: quando chove, as salas ficam alagadas; quando não chove faz muito calor, pois a rede elétrica só suporta 4 ares-condicionados ligados ao mesmo tempo. Na semana de volta às aulas 19 salas (de 27) ficaram alagadas.

Mas nada é tão ruim que não possa piorar. Além do alagamento e do calor, a escola sofre com infiltrações, salas mofadas, janelas quebradas, portas danificadas e muito lixo e entulhos em áreas que poderiam ser aproveitadas como salas de estudo ou descanso.

A situação é tão crítica que o grêmio estudantil foi bater na porta do secretário de educação, Aléssio Trindade, cobrando a resolução dos problemas. Como isso não aconteceu, os estudantes se mobilizaram e fecharam a rua em frente à escola, fazendo um protesto no dia 17 de maio. Os problemas não foram resolvidos.

Agora é a hora de agirmos e ajudarmos os estudantes da João Goulart a conseguir o que é direito deles: uma escola digna para estudar. Vamos lotar a caixa de entrada do Secretário de Educação cobrando melhorias na escola. Os estudantes fizeram um protesto criativo expondo a situação e essa é a hora de mostrarmos nosso apoio pressionando Aléssio Trindade. Pressione!

Pressione agora o Secretário de Educação da Paraíba

Who will you press? (3 targets)
pessoas já pressionaram






Entenda a luta dos estudantes por uma escola melhor:


Para expor a precariedade da escola, os estudantes fizeram um ensaio fotográfico tragicômico, ridicularizando a lentidão da Secretaria de Educação para resolver os problemas
de infraestrutura da escola estadual Presidente João Goulart.



Com o teto comprometido, os estudantes são obrigados a assistir às aulas em salas alagadas.
Ou, o que é pior, têm as aulas canceladas.



Em algumas salas, os alunos são obrigado a colar fita adesiva para evitar que o teto se abra mais.
Em julho e agosto - período de chuva em João Pessoa - 19 das 27 salas da escola ficam alagadas.



A escola João Goulart possui 44 ares-condicionados instalados, mas se ligarem 5 ao mesmo tempo, a rede elétrica não suporta e a energia cai. A escola precisa urgentemente de uma nova subestação de energia.














  



PORQUE A MINHA JAMPA ENTROU NESSA?
"A escola é nossa segunda casa. Mas aqui a gente não se sente em casa", disse uma das estudantes da João Goulart. Muitos estudantes enfrentam situações familiares delicadas e têm na escola um refúgio para seus problemas pessoais. Quando visitamos a escola e conversamos com os estudantes, sentimos um misto de indignação e esperança. Uma espécie de "tá muito ruim, mas a gente quer fazer por onde melhorá-la". A João Goulart é uma das poucas escolas da Paraíba com um grêmio estudantil ativo e preocupado em cumprir seu papel cidadão. São estudantes que, apesar de conviverem com aulas comprometidas pela má condição da escola, dão uma verdadeira aula de cidadania e persistência na luta por direitos essenciais à vida humana.